Blog do Fefon

Quem é o Fefon



 
 

Jogo da caridade

 

Gente, sei que no domingo não postei nada aqui no Blog. Mas tem um motivo especial. Fui convidado para mostrar meus dotes futebolísticos numa partida beneficente.

O evento aconteceu em Mogi das Cruzes e a finalidade foi arrecadar fundos para instituições de caridade. Antes de entrar em campo achei que meu time fosse arrebentar. Dêem uma olhada na foto:

Em pé, da esquerda para a direita: Erick, Fernandinho, Bruno Prado (comentarista da Rede TV!), Madruguinha, Ivan, Marco Aurélio e Méccia.

Agachados da esquerda para a direita: Fabinho, Caio, o baixinho careca Mohammed (que reclama o jogo inteiro), Daniel Meccia (autor do gol mais bonito do jogo), Daniel, eu e Flávio Prado (cometarista da Rádio Jovem Pan e tv Gazeta) e o nosso mascote Fernandinho.

 

Apesar de todo o esforço, tomamos um grande vareio. É que do outro lado só tinha profissa: Gláucio (Vitória), César (Sport), Tico (ex-Portuguesa), Juarez (Udinese) e Neymar (Santos)

Inclusive o garoto prodígio da Vila deitou e rolou. Deu chapéu, rolinho, fez embaixadinha com a bola e de calcanhar mandou para as redes.

Apesar dos gritos desesperados de Méccia e Mohammed, nem eu nem Bruno Prado fomos secos desarmar o camisa 7 do time alvinegro para não fazer papel de tonto. A cada drible que ele dava a galera tirava o maior sarro.

No final levamos uns sete gols, mas conseguimos balançar as redes 3 vezes, com uma certa ajuda do árbitro Salvio Spindola Fagundes Filho que anotou um penalti inexistente a nosso favor.

O que salvou a equipe foi golaço marcado por Daniel Méccia do meio da rua no ângulo, aplaudido por todos que acompanhavam a partida das arquibancadas, debaixo de chuva. Desta vez não foi o fortíssimo time do Pirilampos do Padroeiro em campo, mas valeu o espetáculo.



 Escrito por Fefon às 15:37 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Obrigado, dona Maria!

 

Peço desculpas por ficar tanto tempo sem postar uma linha sequer, mas confesso que estava sem ânimo para escrever. Semana passada recebi uma notícia muito triste: o falecimento de dona Maria José de Souza Lopes. Ela é avó da minha namorada Giovanna, mas a considerava como se fosse um pouquinho minha vó também. Nossa convivência durou pouco mais de dois anos, mas logo no primeiro encontro já aprendi a admirá-la e a respeitá-la por sua trajetória. Uma história que contrasta alegria, sofrimento e acima de tudo dedicação: ao trabalho, marido, filhos e netos.

Dona Maria me recebeu de braços abertos. Deu tanto carinho e atenção que, pela primeira vez em muito tempo, voltei a sentir o gostinho de como era ter uma avó.

Por isso, vou guardar dentro do meu coração cada segundo que passamos juntos. Impossível esquecer do sorriso e do abraço quando nos encontrávamos, do seu jeito sincero e engraçado, de um bacalhau que foi preparado especialmente para mim, dos doces maravilhosos, de um passeio no museu do Ipiranga, do Natal em minha casa, do almoço que dedicou aos meus pais e de ser o primeiro homem a lhe dar flores.

Já rezei muito e pedi para que as minhas duas falecidas e inesquecíveis avós te encontrem no céu, agradeçam por você ter deixado minha vida mais alegre e por ter despertado em mim um dos melhores sentimentos do mundo: o amor de vó.

Obrigado dona Maria, talvez a senhora não saiba o quanto que me fez feliz!



 Escrito por Fefon às 01:29 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Quem é o Fefon

 

Tenho samba no pé. Quem me vê sambando não acredita muito nisso, mas é verdade. Posso provar! As evidências começam com meu nascimento. Vim ao mundo no dia 15 de fevereiro, em pleno carnaval, por isso, sou tão adepto da folia.

Neste ano, por exemplo, desfilei em uma escola pouco conhecida: Tradição da Zona Leste. Junto com meus familiares, amigos e colegas da Rede TV!, fizemos uma apresentação de gala na Ala do Lixo. E, apesar de ter caído um dos braços do Cristo Redentor do carro alegórico e das engasgadas do puxador quando cantava o samba-enredo, a escola subiu da sexta para a quinta divisão. Dever cumprido e sucesso total.

 

Eu e o amigo madureira na ala do lixo
 
 
 
Já no ano passado, demonstrei todo o meu gingado na Tom Maior. Não é para menos que ficamos em quinto lugar, a melhor colocação na história da escola.

 

Eu, Gi, Babbo e um penetra prá lá de Bagdá na Tom Maior


 
Mas nem só de alegria é feito o carnaval. Assim como no futebol, também amargamos derrotas. Antes da Tom, já havia tido a decepção de rebaixar a Imperador do Ipiranga em 2007...

Também desfilei por duas vezes na Nenê de Vila Matilde, ao lado do jornalista Flávio Prado, que, a propósito, em um dos anos, deu o cano no desfile das campeãs por causa de uma chuva torrencial.

E um grande sambista como eu só poderia namorar alguém com a mesma paixão. A
 também jornalista Giovanna Lopes me acompanhou em 2008 e neste ano na Tradição. Em 2009, a Gi ainda saiu na Tom Maior, esbajando muito mais habilidade e beleza do que eu.

Ano que vem ainda não sabemos qual escola defenderemos. Infelizmente até agora convites não foram feitos, mas espero que não demore. O samba agradece ou será que não?

 



 Escrito por Fefon às 22:14 [] [envie esta mensagem] []






 
 

História

Quando alguém vê um apresentador, comentarista, narrador ou repórter na televisão sempre vem a pergunta: que time ele torce?

Eu poderia torcer para o Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Santos ou qualquer outro do Brasil... Mas o meu coração está voltado para uma equipe que nunca apareceu na TV nem sequer esteve na primeira divisão.

Senhoras e senhores,

Apresento-lhes o Pirilampos do Padroeiro!

Pirilampos do Padroeiro

Em pé - da esquerda para a direita: Mamma (médica), Pape Luz (técnico), Picolino, Bom Bril, Asminha, Pizza, Sangue, Zé Bulho, Luiz (árbitro); Agachados - da esquerda para a direita: Fedelha, Eu, Bigode, Lombrigão, Eduardão, Purebrede e Jorgini Dos Inis.

 

Fundei essa equipe em 1989, junto com meu irmão Roberto. O nome pode soar estranho para alguns, mas numa grande votação foi o escolhido. As outras opções eram Bom Censo de Guadalabara (é assim mesmo que se escreve) e Patriotas do Senhor.

Depois de batizado o time, a segunda etapa era montar um esquadrão que aterrorizasse os rivais. A partir desse momento, qualquer jogo com desconhecidos ou até mesmo com amigos não era mais encarado como uma simples brincadeira. Era uma espécie de avaliação pessoal.  Os melhores amigos-jogadores foram convidados a participar do novo clube: Eduardão, que fazia gols espíritas; Sangue, com seu toque de classe; Lombrigão e seus dois metros de altura; o motorzinho Fedelha, o pequeno Picolino, o agilíssimo Dudu Little, entre outros.

Conforme os anos foram passando, novos integrantes apareceram e o Pirilampos, que atuava no Clube Pinheiros, no Campo do Quartel ou no antigo Clube do Mé, ganhou força, respeito e em toda a história perdeu apenas 3 partidas, sendo assim considerado um time quase invicto.

Afinal, é ou não é para mexer com o coração de qualquer um?

 

1º Uniforme OficialAtual Uniforme Oficial

1º Uniforme Oficial                                     Atual Uniforme Oficial

Troféus/medalhas dos principais títulos

Troféus/medalhas dos principais títulos



 Escrito por Fefon às 14:08 [] [envie esta mensagem] []






 
 

Perfil

 

Fernando Fontana iniciou no jornalismo aos 18 anos, como colunista do Jornal Noi All'Estero - fundado por sua família e dirigido à colônia italiana. Três anos mais tarde, em 1996, foi para o SBT como produtor do TJ Brasil e editor de esportes. Um mês depois, também começava a cobrir o campeonato inglês para o Jovem Pan no Mundo da Bola e a fazer produção e reportagem dos programas Terceiro Tempo, Plantão de Domingo, No Pique da Pan e Jornal de Esportes, na Jovem Pan.

Formado pela FIAM, foi apresentador e comentarista da Rádio Difusora de Osasco; cobriu Futebol Inglês na Rádio Cacique de Santos; apresentou programa sobre Futebol Internacional na Pelé.Net;  foi editor de texto do programa Gol, o Grande Momento do Futebol, na TV Bandeirantes; produtor e repórter das Jornadas Esportivas e dos programas Transa Esportes e Debate Bola, da Rádio Transamérica; comentarista do programa Diário do Futebol da Rádio ABC e repórter da Rede TV!, onde está  há oito anos.

Também participou de cursos da Revista Imprensa e do Espaço Wanderlei Nogueira.

Contato: fefon01@yahoo.com.br

 

 



 Escrito por Fefon às 12:04 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 





BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Esportes, Livros, Cinema e Vídeo









 
 


Todas as mensagens
Quem é o Fefon
Papo de Bola
Bola Cheia/ Bola Murcha
Penso, logo Desisto
Fora das 4 linhas




Celso Cardoso
Thomaz Rafael
TricolorMania
Blog da Roberta Castro
 
 

Dê uma nota para meu blog